Edição 59 da Revista Comunicar

59
Mídia móvel emergente. Convergência comunicativa no cenário dos novos meios de comunicação social

Vol. XXVII, nº 59, Segundo trimestre, 1 Abril 2019

 

Editores temáticos
Dr. Xosé López – Universidade de Santiago de Compostela – Espanha
Dr. João Canavilhas – Universidade de Beira Interior – Portugal
Dr. Oscar Westlund– University of Gothenburg – Suécia

 

 

Apresentação

Artigos

 

Anúncios

CINESOLAR: estação móvel de arte sustentabilidade, tecnologia e educomunicação

Post Cine_Brasil.

Arte, sustentabilidade, tecnologia e educomunicação percorrem o território brasileiro desde 2013 de forma inovadora e criativa. Trata-se do Cinesolar, um cinema móvel que exibe filmes de curtas e longas-metragens com o uso da energia solar e desenvolve oficinas educomunicativas a partir de temas socioambientais. É o primeiro cinema itinerante do Brasil a utilizar a luz solar como fonte para transformar locais públicos em verdadeiros espaços de exibição.

Equipados com placas solares e um sistema conversor de energia, os veículos viajam pelas diversas regiões do Brasil realizando sessões gratuitas. Esta trajetória conta com o apoio de empresas nacionais, instituições governamentais e instituições internacionais como a fundação holandesa Doen,  Mercedez Benz, Google, além de fazer parte da rede internacional de cinema solar itinerante (Solar World Cinema).

O projeto, através de uma equipe multidisciplinar, promove oficinas educomunicativas que abordam os mais diferentes temas a partir dos pressupostos apresentados pela educomunicação, pela educação ambiental e pela sustentabilidade. Uma das grandes preocupações do Cinesolar é promover a inclusão social e envolver as comunidades das cidades visitadas. O projeto também tem como pretensão democratizar o acesso às produções audiovisuais, incentivar e promover a criação de produções locais que problematizem questões pertinentes à comunidade. Para isso elabora propostas de intervenção social, mediadas pela produção de conteúdo audiovisual, que mobilizam a comunidade a repensar e a expressar suas práticas cotidianas.

O Cinesolar é uma realização da Brazucah Produções em parceria com a Associação Cultural Simbora e a Semearte Productil.

 

Edição 58 da Revista Comunicar

Tema: Aprendizagem e mídia digital: formas emergentes de participação e transformação social

 

Vol. XXVII, nº 58, Primeiro trimestre, 1 Janeiro 2019

Editores temáticos
Dr. Moisès Esteban-Guitart – University of Girona – Spain
Dr. Javier González-Patiño – Autonomous University of Madrid – Spain
Dr. James Gee – Arizona State University – USA

Apresentação

Para ler os artigos, clique AQUI

Vânia Quintão nos deixou, mas permanece eterna em nossos corações -Coeditora internacional da Comunicar no Brasil

Autor: Ignacio Aguaded– Tradução de Lilian Ribeiro

Estamos de luto em Comunicar. Estamos tristes porque acima de tudo somos uma família de pesquisadores de todo o mundo que compartilhamos laços de amizade e afeto. Vânia Quintão nos deixou: a voz e o otimismo da Comunicar no Brasil. Ela exerceu convicta e otimista como Coeditora internacional e impulsionou a revista, como ninguém, em todo este país-continente. Ela acreditava na educomunicação e a praticava com seus alunos, com seus colegas, com os pesquisadores. Vânia sempre sorria, sempre via o lado positivo, mesmo quando as pessoas falhavam ou não respondiam. Soube criar uma equipe e foi lider em sua universidade. Em Comunicar sempre foi uma luz que brilhava sem parar, iluminou a todos nós.

Ela era Doutora em Educação pela Universidade de São Paulo (Brasil) e tinha pós-vaniadoutorado na Universidade de Sevilha (Espanha); especialista em Gêneros Televisivos pela Universidade Internacional de Andaluzia (Huelva, Espanha), bem como um Mestrado em Tecnologia Educativa. (Universidade Federal do Rio Grande do Norte) e uma Licenciatura em Matemática (Universidade Federal de Minas Gerais). Ela era uma mulher enciclopédica com uma vasta formação integral da ciência à tecnologia, educação e comunicação. Mulher sábia e otimista que soube partilhar com os outros … Sua experiência profissional foi exercida na Universidade de Brasília, em plena capital do país, como Professora Associada nível 3.

 

Visitá-la em sua cidade e em sua Universidade foi um prazer naquela cidade imensa e larga, irradiada pela luz e rodeada pela natureza. Andar com ela, conversando assuntos humanos e divinos, da universidade e o progresso era um infinito prazer … Toda vez que tive a oportunidade de ir a essa cidade, Vania estaba envolvida e com ela e através dela vieram muitas pessoas e muitos saberes … pudemos escutar samba, visitar as  infindáveis esplanadas de uma cidade branca e de luz, onde ela sempre brilhou com seu sorriso, mesmo quando apareceu a doença, resistiu sempre convencida de que esta não iria ganhar. No final, não pôde ser, mas sua memória fica gravada como um exemplo de determinação, de força … modelo para todos.

Vânia L Quintão CarneiroVânia era uma mulher enciclopédica e polivalente, possuía experiência nas áreas de pesquisa e de produção em televisão e educação. Publicou diversos artigos sobre programação de TV, audiências infanto-juvenis, formação de educadores em comunicação audiovisual, educação a distância, TV na escola, mídias, educação e competências midiáticas … para as novas gerações será um caso admirável como evoluiu da matemática para a  educomunicação. Entre suas muitas tarefas universitárias, coordenou a área de Educação, Tecnologia e Comunicação da Faculdade de Educação no Programa de Pós-Graduação e no Curso de Pedagogia. Foi líder do Grupo de Pesquisa Educamídia (UNB / CNPq), mas queremos destacar especialmente nessas notas de louvor a sua pessoa, que foi a Coeditora Internacional da Revista Comunicar no Brasil, cargo que exerceu com dignidade e valentia, com entusiasmo e otimismo, com perseverança e bom trabalho …

Hoje, caríssima Vânia, no dia em que você nos deixa e vai voar a outros mundos, queremos lhe dizer com todo carinho e afeto, que você continua em nossos corações, que te amamos e que você não vai, porque temos você na memória e no presente conosco, muito perto …

Notas curriculares de Vânia: https://bit.ly/2GjNOss

 

Gestores de referências

Um dos aspectos que provoca mais dores de cabeça aos investigadores na hora de elaborar seus relatórios, artigos, etc. é a gestão das referências bibliográficas, principalmente em autores novatos. Entretanto, esta é um tarefa crucial que deve acompanhar a leitura e que se for bem feita desde o início evitará muitos problemas posteriores.

Gestores

Os gestores de referências que surgem com o domínio das tecnologias facilitam esta tarefa trazendo grandes vantagens ao entediante trabalho de guardar as referências, organizá-las e adequá-las à norma correspondente, que, além disso, pode variar de uma publicação para a outra, com o consequente esforço de precisar adaptá-las uma vez que o artigo esteja elaborado. Por isso sempre se recomenda selecionar previamente a revista para a qual se destina o texto, para evitar surpresas inesperadas; ainda que contemos com a ajuda de um gestor bibliográfico.

Quer saber mais sobre este tema? a autora Águeda Delgado-Ponce, com a tradução de Lilian Ribeiro nos revela detalhes no blog ESCOLA DE AUTORES da Revista Comunicar.

Para ler o post completo clique AQUI.

Preprint / Postprint

preprint

Os benefícios principais de usar preprints são:

  • Acesso aberto de forma imediata ao artigo.
  • Obtém mais comentários sobre seu trabalho por parte de colegas antes de ser publicado o manuscrito.
  • Os preprints aumentam a quantidade de downloads e como conosequência a visibilidade dos autores, seus trabalhos e, possivelmente, as citações.
  • Diminui de forma importante o atraso na publicação dos artigos, que causa grandes frustrações e reclamações.

Há revistas como a Comunicar, Profesorado e RED, que incentivam aos autores a arquivarem seus artigos uma vez publicados em redes sociais acadêmicas como ResearchGate e Academia.edu, nos quais já se pueden encontrar milhões de documentos, tanto preprints como postprints, a disposição dos investigadores.

Quer saber mais sobre este importante tema? leia o post completo, do autor Raidell Avello Martínez e tradução de Mirelle Freitas no blog ESCOLA DE AUTORES da Revista Comunicar.

Palavras-chave

Palavras chave

As palavras-chave formam junto com o título e o resumo, os metadados de um artigo e constituem a “carta de apresentação” de uma publicação cientifica.

O autor de um artigo científico necessita afinar suas capacidades pesquisadoras para acertar na hora de escolher os termos que melhor representem o tema do seu trabalho, e sobretudo, a particularidade da sua contribuição. Nesse sentido, a seleção das palavras-chave deve ser feita com tranquilidade e reflexão, e pensando no leitor do trabalho, já que elas definem o conteúdo do artigo. Este aspecto é de suma importância se queremos que nosso artigo seja encontrado por outros pesquisadores do nosso âmbito de estudo, porque deste modo garantimos sua divulgação e também o seu impacto na comunidade cientifica.

Portanto as palavras-chave têm dupla função na pesquisa científica, descrevem as características principais de um artigo, aumentando a sua divulgação, e por outro lado, facilitam a procura e seleção dos trabalhos que mais nos interessam entre a variedade de trabalhos existentes.

Como escolher as palavras-chave mais apropriadas, qual é o tesauro mais reconhecido e mais recomendado, quantas palavras-chave são exigidas pelas revistas científicas, dentre outras questões, leia este post completo na ESCOLA DE AUTORES da Revista Comunicar. O texto é de Rosa Garcia Ruiz e a tradução de Julieti-Sussi Oliveira.

A Escola de Autores de Comunicar insiste na importância das palavras-chave que selecionamos em cada artigo, considerando que nos identificam como pesquisadores, demostram nossos interesses a outros estudiosos e definem a qualidade e a coerência de nossa trajetória como pesquisadores.